Impeachment pode ocorrer tranquilamente… ou, sinto muito Renato, mas ninguém vai atear fogo

Acabei de ler este artigo do Renato Janine Ribeiro (clique) e discordo dele.

Uma campanha pelo impeachment de Dilma, mantidas as atuais condições de temperatura, pressão e comunicação, não provocarão reação alguma. Dilma está hoje como Jango em março/abril de 1964, ou seja, tem pouquíssima gente disposta a ir pra rua em seu nome e em nome do legalismo.

Explico melhor. A campanha da legalidade, ao movimentar a esquerda e o povo em favor de um projeto progressista “elegeu” Jango, mais ou menos como o recente segundo turno elegeu Dilma com uma arrancada final da militância e da esquerda, assustada com a possibilidade de retorno do projeto conservador encabeçado pelo PSDB (essa UDN rediviva). Mas, do mesmo modo que a Jango, falta a Dilma o discurso mobilizador, falta a vibração que mantém acesa a esperança e, principalmente, falta entregar o que o projeto progressista prometia – Levys e Kátias arrefecem o coração de qualquer militante. Neste interessante artigo do historiador Jorge Ferreira (clique) temos elementos que nos ajudam a entender porque em menos de 3 anos (de 1961 a 1964) Jango perdeu todo o capital político que a campanha da legalidade lhe deu. Creio que Dilma vive situação semelhante, guardadas as devidas proporções, e que seu capital não vai precisar de três anos para se apagar… talvez bastem três meses…

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s